Pesquisar este blog

quarta-feira, 18 de junho de 2014

DOCUMENTÁRIO - PROBLEMAS DE APRENDIZAGEM

Este é o trailer de um  documentário que  vale a pena ser visto, retrata as dificuldades encontradas por crianças com diferentes problemas de aprendizagem dislexia, discalculia, disgrafia e outros. É emocionante ouvir os depoimentos!

É possível encontrar o documentário "Não sei fazer isso, mas sei fazer aquilo"  completo, dividido em partes,  no youtube.

video

VIVER COM DISLEXIA

A animação abaixo retrata  as dificuldades encontradas por uma criança com dislexia, Vale a pena assistir.



video

domingo, 8 de junho de 2014

REPORTAGEM FANTÁSTICO – PAIS E DEVERES DE CASA

Quando algumas pessoas comentaram sobre a reportagem do fantástico sobre pais e dever de casa, ficamos interessados, principalmente, no que se refere a pesquisa realizada pelos sociólogos Keith Robinson e Angel Harris.

Os pesquisadores analisaram dados de cerca 10 mil crianças, dentre outras questões concluíram que o apoio dos pais nos deveres de casa tem efeito negativo sobre os alunos. O site Todos pela Educação, para corroborar estes resultados, citou uma pesquisa inglesa, realizada com 2000 adultos, sobre os motivos que os levavam a apoiar os estudantes na lição de casa, um dos motivos citados era a satisfação de ver a criança sendo elogiada e tirando boas notas.

Vale ressaltar que a pesquisa realizada pelos sociólogos teve como motivador questões sociais e raciais da sociedade americana, que relaciona o poder aquisitivo e a questão racial ao grau de envolvimento da família com a escola, bem como o sucesso escolar. A ideia era mostrar que esta visão é equivocada. O resultado da pesquisa teve uma enorme repercussão nos meios acadêmicos sendo bem acolhido por uns e muito criticada por outros.

Mas um coisa é certa, a pesquisa não levou em consideração as crianças com problemas de aprendizagem, normalmente são elas que mais precisam do apoio da família tanto em casa como na escola. Em casa, visando minimizar os impactos das dificuldades na compreensão dos conteúdos curriculares, na tentativa de evitar reprovações que tanto abalam a autoestima de nossos filhos. Na escola mostrando que há alguém olhando e acompanhando as questões escolares, para que a criança não seja marginalizada, rotulada como preguiçosa, moleque, etc.


Enfim, este blog é um espaço onde relatamos nossa caminhada, nossa experiência como nosso filhote, um guerreiro com problemas de aprendizagem. Independente do que dizem as pesquisas, como pais de duas crianças, sabemos que cada uma aprende de uma forma, que um de nossos filhos para obter as notas que a escola exige para aprovação precisa do nosso apoio nas atividades escolares, bem como ajuda de profissionais. O outro filho precisa apenas de ser cobrado quanto ao horário para fazer as atividades e de um acompanhamento mais distante.

Nós como pais de dois filhos, um com diagnóstico de dislexia e déficit de atenção que precisa ser um guerreiro para vencer as batalhas escolares. O outro não tem vida de guerreiro, mas de nobre e não encara a escola como batalha e sim como conquista, para ele a vida é mais fácil, mais tranquila. Na escola, nas reuniões do guerreiro, cansamos de ser atacados, de ouvir insinuações que deveríamos participar mais das questões escolares do nosso filho. Na reunião do nosso pequeno nobre sempre ouvimos que somos pais perfeitos e que todos os pais deveriam ser como nós.
Acreditamos que realmente os pais interferem pouco no desempenho escolar dos filhos, porque quando uma criança tem um problema de aprendizagem é muito difícil conseguir ajudá-la e ainda mais difícil conseguir que a escola reconheça esta ajuda. Por outro lado, quando a criança não apresenta problemas de aprendizagem ela não precisa da ajuda dos pais, ela consegue ter um bom desempenho escolar por si só, nos dias de hoje ela aprende independente dos pais e até mesmo da própria escola.

Acreditamos também que um dado importante e que gera uma lacuna na pesquisa dos sociólogos é o número de crianças que recebe auxílio da família e que apresenta problemas de aprendizagem e fraco desempenho escolar.





sábado, 21 de dezembro de 2013

O Instituto ABCD

O Instituto ABCD tem  suas funções voltadas para os transtornos de aprendizagem, conhecemos seu trabalho somente através da internet a partir de  palestras, entrevista, etc.

As informações que eles disseminam foram e continuam sendo muito importantes para nossa caminhada, por isto, resolvemos compartilhar.

Vídeo de divulgação dos problemas de aprendizagem a partir do olhar de uma criança.


video
Infelizmente não podemos deixar de falar para não associarem as letras pulando ao equivocado diagnóstico da  "dislexia da leitura". A questão dos problemas de aprendizagem é complexa  e envolve inúmeros fatores que vão muito, mas muito além das lentes corretivas. Nós,  pais,  buscamos soluções se possíveis rápidas para nossos filhos, mas temos que tomar cuidado porque os problemas de aprendizagem se transformaram num filão que é aproveitado pelas diferentes áreas.
É triste saber que até o mundo acadêmico, através do Programa de Pós Graduação em Neurociências da UFMG, se rendeu a influência do grupo que comanda a "dislexia da leitura" prestando um desserviço para muitas crianças e famílias.



video


video
video
video
video
video video video

video

segunda-feira, 7 de outubro de 2013

Cada um aprende de uma forma

Cada um aprende de uma forma.

Não importa qual seja o diagnóstico: dislexia, DEL, DPAC e tantas outras denominações.

O IMPORTANTE É CAMINHAR PARA DESCOBRIR COMO SEU FILHO APRENDE

Não há um profissional no mundo, por mais renomado que seja, capaz de indicar com precisão o caminho, cabe a nós colhermos as pistas que surgem , mudar sim de profissional quando não conseguirmos avanços a médio prazo, retermos as informações importantes e descartarmos as bobagens que ouvimos, ou até mesmo, lá na frente, percebermos que uma daquelas bobagens pode fazer sentido.

O caminho é longo e cheio de obstáculos, mas o mais importante é NÃO DESISTIR NUNCA!

Se para nós pais é difícil, imaginem para nosso filho que vive cercado / preso pelas suas questões de aprendizagem na escola e em casa.

O documentário Viagem dentro da dislexia vale a pena ser visto, há depoimentos de disléxicos de várias idades, profissionais com diferentes visões, mas a pequena fala de um experiente “tutor de disléxico” nos chamou atenção, pois confirma o que já sabíamos cada um aprende de uma forma, veja o trecho abaixo ou assista documentário

http://www.youtube.com/watch?v=-UfvnNeR8M4


video

quarta-feira, 20 de março de 2013

RESPOSTA A UM PEDIDO DE ORIENTAÇÃO

Bom dia, família ...!

Agradecemos muito pelas palavras, o blog anda abandonado porque o dia a dia é corrido, mas mensagens como a de vocês nos motivam a retomar!

Continuamos na luta com nosso guerreiro que completou 12 anos. Ao olhar para trás vemos quantas batalhas foram vencidas, quantos adversários nocauteados... Mas para nós a grande vitória foi perceber que nosso filho passou de uma criança que não conseguia aprender (sequer reter que 1 dezena são 10 unidades) para uma criança que aprende (expressões numéricas, frações, conteúdos de ciências, história, geografia, etc). Hoje, estamos a procura de um bom treinador para nosso guerreiro para trabalhar interpretação e produção de texto.

Se nos perguntarem "o que vocês fizeram que realmente fez a diferença?" responderemos prontamente que foi a intervenção da psicopedagoga Maria das Graças Fonseca e Silva e do neuropediatra César Marcondes, ambos de Belo Horizonte. Consideramos que eles foram os anjos para nossa família. Inicialmente, acreditávamos que todos teriam sucesso com eles, mas algumas famílias tiveram e outras não! Mas graças a Deus é assim! Imagine se o caminho fosse apenas este!

Durante nossa jornada, de tudo que ouvimos, diagnósticos e prognósticos negativos e positivos, o que nos fez seguir enfrente foi uma frase dita por uma psicopedagoga que nada agregou em termos concretos, mas que nos motivou a continuar "Nunca desistam do filho de vocês, continuem sempre na busca...!". Com o passar do tempo, a frase adquiriu outros sentidos, hoje significa "Ninguém, nenhum profissional, seja de qual área for, tem uma resposta concreta para as questões que envolvem o "não aprender";

Eu, mãe do guerreiro, resolvi fazer o curso de psicopedagogia para auxiliar as famílias carentes que lidam com o não aprender, porque com recursos financeiros é tão difícil lidar com o problema, imagine sem! Infelizmente ao concluir o curso, descobri que não podia auxiliar ninguém, descobri que é um CRIME a psicopedagogia ser uma pós graduação. Descobri que na nossa jornada com o guerreiro nos deparamos com diversos tipos de profissionais aventureiros: aqueles que terminam a pós e se acham aptos para atender, os que dão aulas em cursos de psicopedagogia mas tem formação em psicologia, fonoaudiologia, neurociências, mestres em educação e se acham os mais capacitados para lidar com o não aprender, quando na verdade se dedicam mais a suas áreas específicas, ao mundo acadêmico e não apresentam sequer um caso de criança que não aprendia e passou a aprender, eles são os especialistas em diagnóstico de problemas de aprendizagem, especialistas em encontrar culpados entre a família e a escola (filho mimado, dependente, professor que não gosta de ensinar, etc) mas não possuem estratégias de intervenção eficaz para a questão da aprendizagem.

A aprendizagem é algo muito complexo e por isto na Argentina, Portugal e outros países a psicopedagogia é uma graduação. Não quero dizer que com a graduação teríamos somente profissionais competentes, mas teríamos sim, chances de depararmos com alguém que verdadeiramente entendesse da questão, teríamos mestres e doutores em psicopedagogia, psicopedagogos com pós-graduação em escrita, leitura, questões afetivas, intervenção nesta ou naquela questão que poderiam relatar seus estudos e experiências no assunto. Nosso problema se torna maior com os cursos a distância. Vários cursos presenciais sequer oferecem estágio supervisionado. Não posso deixar de dizer que é um CRIME, uma VERGONHA. Porque é crime fazer a criança passar por inúmeros profissionais, é crime fazer nossos pequenos perderem tanto tempo e assim continuarem sendo alvo de críticas de professores e gozação de colegas, é crime fazer com que as famílias se sintam tão impotentes....

Digo isto, porque quando levávamos nosso guerreiro a uma psicopedagoga depositávamos neste profissional uma enorme esperança e a cada frustração acreditávamos que o problema era do nosso guerreiro! Pensávamos que o caso dele era muito sério porque nenhum profissional conseguia nos ajudar! A busca foi longa, íamos a profissionais "renomados", coordenadores de curso de psicopedagogia, etc... Hoje, entendemos porque somente uma psicopedagoga séria, no auge dos seus 60 anos, trabalhando a mais de 20 em consultório foi a única capaz de nos mostrar uma luz, um caminho a seguir! Então o caminho é procurar um profissional experiente em PSICOPEDAGOGIA, este profissional será capaz de trabalhar as estruturas, os esquemas que vão disparar o gatilho da aprendizagem. Quem fez isto com nosso guerreiro foi a Maria das Graças, durante os dois anos e 1/2 de tratamento eu acompanhamos de perto e percebi que o que fez a maior diferença foi o trabalho com jogos Cara a Cara, quebra-cabeças, lego, lince, memória, hora do rush, Ludo, Quest Júnior, jogo fecha a caixa, os jogos das lojas Origem como Equilíbrio. Amazônia Simplificada, etc.Ela também trabalhava textos curtos, liam juntos e depois cada um fazia para o outro perguntas sobre a história. .Nosso filho sempre teve enorme resistência aos jogos de tabuleiro e a Maria conseguiu fazer com que ele vencesse esta barreira, então começamos a jogar em casa no que denominados "Noite de Jogos" . e como todos os pais. como todos os seres humanos não somos perfeitos e a frequência e persistência de continuar com as noites não foi a que desejávamos em virtude da rotina, cansaço, etc. mas acreditamos que também tivemos nossa contribuição! Ele também não gostava de quebra cabeças e começou a gostar.

Outro ajuda fundamental foi Dr César Marcondes que diagnosticou nosso guerreiro como disléxico e com déficit de atenção. Ele receitou a Ritalina, criticada por tantos profissionais e por tantas famílias, mas que foi fundamental para nosso guerreiro recuperar seu gap na aprendizagem. Foram três anos de medicação para fazer o dever de casa e ir para escola, com intervalos nos fins de semana, feriados e férias escolares. Agora em 2012, temos orgulho de dizer que o médico mais conservador e criticado na cidade pelo uso da medicação para tratar problemas de aprendizagem, suspende, sem o nosso pedido a medicação, ou seja, ele percebeu que nosso filho não precisava mais, percebeu que a medicação já tinha feito a parte dela, isto sim é profissional!

Esperamos ter ajudado e estamos a disposição para esclarecer outras questões.

Abraços

Família do Guerreiro

segunda-feira, 9 de maio de 2011

FILME INDIANO – SOMOS TODOS DIFERENTES COMO ESTRELAS NO CÉU

Descobri este filme no começo deste ano ao preparar um dvd para a professora do meu guerreiro. Sim! Eu sempre passo algum material sobre o transtorno de aprendizagem que afeta meu filhote. Diante de tudo que nós já passamos (desconhecimento, desprezo, intolerância, arrogância, falta de competência, etc), acho importantíssimo. Assisti o filme 3 vezes. Na primeira chorei muito, identifiquei meu guerreiro e também a mim, ao meu marido em várias cenas.... Na segunda, algumas lágrimas escorreram... Na terceira, somente emoção. Este filme é realmente MARAVILHOSO, consegue retratar bem o universo da criança disléxica – a letra ruim, problemas de coordenação motora, orientação espacial, baixa autoestima, as tentativas de esconder as dificuldades com atitudes ou palavras que parecem dizer “Não estou nem aí!”. Acredito que no filme o professor é uma alegoria, ele representa aquela pessoa que pode fazer a diferença na vida de uma criança disléxica, pode ser o pai, a mãe, um irmão, um conhecido da família, o professor, etc... No caso do meu guerreiro eu e meu marido representamos os dois papéis, de pais e também daquele que faz a diferença, não porque já conhecêssemos o problema mas porque nunca desistimos de nosso pequeno, porque perdidos num labirinto procuramos incessantemente por um saída.. Hoje, acredito que estamos na direção certa porque já enxergamos uma luz, mas nossa caminhada continua... Voltando ao filme, fico preocupada com as cenas que mostram o garoto enxergando as letras pulando. Infelizmente, imagens parecidas foram e são utilizadas pelas pessoas que trabalham com a “dislexia da leitura”, isso pode induzir muita gente a cair nesta armadilha, resultando na perda de dinheiro e principalmente na perda de um tempo preciosa das nossas crianças. Em nenhum lugar do mundo existe cura instantânea para dislexia, não há lentes milagrosas! Quem quiser saber mais sobre a nossa experiência com este trabalho leia o post “Dislexia da Leitura”. Olha, a intenção do blog é retratar os caminhos de fracassos e vitórias para vencer a dislexia. Para nós a “dislexia da leitura” foi uma grande decepção, às vezes outras famílias tiveram resultado diferente. No nosso caso, caímos nesta num momento de desespero, vimos o assunto sendo tratado num programa de TV, estávamos esgotados após passar por inúmeros profissionais incompetentes de diversas áreas (fono, psicopedagogos, psicólogos, etc), na época acreditamos que aquela era a saída porque era o único tratamento que ainda não havíamos tentado, isto porque ainda não havíamos passado por profissionais sérios e competentes, mas sim por profissionais com NOME NO MERCADO e tivemos que sentir na pele, principalmente, na pele inocente do nosso guerreiro, que nem NOME, nem TÍTULO são sinônimos de competência! Enfim, o filme é LINDO e INSTRUTIVO, passei para psicopedagoga do guerreiro e ela também adorou!!! Mas agora, preciso utilizar a frase que direciona a obra Maquiavel “Os fins justificam os meios” para passar o link onde é possível ba*xar o filme. Não sou a favor da p*ratar*a, mas acho que este filme pode ajudar muitas famílias. http://www.megaupload.com/?d=SDMUPI9K

video

video